Quinta, 02 de Dezembro de 2021
25°

Muitas nuvens

Goiânia - GO

Saúde Goiás

HEMNSL alerta sobre o risco da sífilis na gestação

No terceiro sábado de outubro, é celebrado o Dia Nacional de Combate à Sífilis e Sífilis Congênita, manifestações ...

18/10/2021 às 11h50
Por: Lorena Lázaro Fonte: Secom Goiás
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Goiás
Foto: Reprodução/Secom Goiás

No terceiro sábado de outubro, é celebrado o Dia Nacional de Combate à Sífilis e Sífilis Congênita, manifestações de uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Sexualmente transmissível, a enfermidade também pode ser propagada por transfusão de sangue ou por contato direto com sangue contaminado. A sífilis congênita é a infecção transplacentária do feto, que pode causar complicações severas tanto para a mãe quanto para o bebê.

Considerado um grande problema de saúde pública, apesar de ter apresentado uma diminuição nos casos da doença no último ano, os números continuam preocupantes. De acordo com o Boletim Epidemiológico de Sífilis do Ministério da Saúde, em 2019 foram notificados 152.915 casos de sífilis adquirida em todo o País e 24.130 casos de sífilis congênita, quando a gestante passa a doença para o bebê. 

Nos meses de julho, agosto e setembro de 2021, o Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar (NVEH) do Hospital Estadual e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (HEMNSL) somou 34 notificações de sífilis em gestantes e 22 casos de sífilis congênita, sendo o segundo maior agravo na maternidade em notificações, perdendo apenas para síndrome gripal. A unidade do Governo de Goiás é especializada no atendimento nas áreas de ginecologia e obstetrícia.

O infectologista obstetra do HEMNSL, Wilson Arantes, explica que a infecção é ainda mais grave se ocorrer no início da gestação e se estiver nos estágios iniciais da sífilis, por ser mais transmissível. “Vale informar que a contaminação pode ocorrer em qualquer fase da gravidez, até mesmo no momento do parto normal, caso houver alguma ferida de sífilis na região genital da mãe.”

Estágios da doença
Os sinais e sintomas da sífilis variam de acordo com cada estágio da doença. O primeiro sintoma é uma ferida indolor e sem sangramento no local de entrada da bactéria, podendo ser a vagina, o colo uterino, a vulva, a mama, o pênis, o ânus, a boca, a língua ou dedos da mão, que aparece entre 10 e 90 dias após a contaminação. 

Caso a doença não seja tratada, na fase secundária os sintomas aparecem entre seis semanas e seis meses do aparecimento da ferida inicial, podendo ocorrer manchas rosadas na pele, nas palmas das mãos e plantas dos pés, na boca, no nariz, além de possíveis sintomas gerais.

Podendo surgir de 2 a 40 anos depois do início da infecção, a sífilis terciária aparece caso a pessoa não tenha conseguido combater a doença ou não tenha feito o tratamento corretamente. Nesse estágio, os sinais são lesões cutâneas, cardiovasculares, ósseas e neurológicas, podendo levar à morte. Na gravidez, caso a sífilis seja transmitida para o bebê, os principais riscos para a criança são: abortamento, parto prematuro, morte fetal e malformações, entre outros.

Tratamento
O tratamento da sífilis na gestação é feito, normalmente, com injeções do medicamento Penicilina Benzatina em uma ou três doses duplas semanais, dependendo do estágio da doença. “Quando a enfermidade é detectada na gravidez, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível, para prevenir a transmissão vertical e garantir a saúde do bebê. Também é importante que a gestante não tenha relações sexuais desprotegidas até o fim do tratamento e que o parceiro realize o tratamento adequado, para evitar a progressão da doença e a reinfecção da mulher”, destaca o ginecologista.

Dr. Wilson ainda certifica que a melhor forma de prevenir as complicações da doença durante a gravidez é a realização correta do pré-natal. “O acompanhamento durante a gestação tem o papel fundamental na prevenção e detecção de diversas patologias. A testagem para sífilis é recomendada na primeira consulta do pré-natal, no terceiro trimestre da gravidez e no momento da internação para o parto ou em casos de abortos.”

“Vale ressaltar que a maioria dos bebês infectados não apresentam sintomas ao nascerem. Por isso, todos os recém-nascidos expostos à doença precisam passar por uma avaliação semanalmente até o sexto mês, bimensal até os 12 meses e semestralmente até os 18 a 24 meses. A infecção do bebê pode ocorrer se a mãe não fizer o tratamento, realizá-lo de forma inadequada ou em casos em que a medicação não tenha tido resposta terapêutica. Assim, caso detectada a doença, o tratamento deve ser iniciado”, acrescenta o médico.

Programação
Para celebrar a data dedicada ao combate à sífilis e sífilis songênita, o Hospital Estadual e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes promoverá, no dia 19 de outubro, uma palestra para discutir sobre o tema com as pacientes gestantes da unidade, ministrada pelo infectologista Wilson Arantes.

Fonte:Secretaria Estadual de Saúde/IGH

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Goiânia - GO Atualizado às 10h36 - Fonte: ClimaTempo
25°
Muitas nuvens

Mín. 21° Máx. 29°

Sex 30°C 20°C
Sáb 29°C 21°C
Dom 30°C 20°C
Seg 30°C 20°C
Ter 27°C 20°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias